4 de janeiro de 2013

Caros associados da ANES

Esta mensagem pretende, ao mesmo tempo, desejar um bom ano de 2013 a todos os associados e assinalar a realização da eleição dos titulares dos órgãos e cargos sociais da ANES – Associação Nacional de Esterilização. A eleição marca o momento em que as facções e os grupos deixam de fazer sentido e todos os associados, a começar pelos elementos da lista vencedora, se juntam num projecto comum. Mais importante do que vontades são os princípios que nos guiam e o trabalho que temos pela frente.

O ano de 2013 é o ano de todos os desafios. É num ambiente agressivo não só pela escassez de recursos como pelas convulsões que a administração pública e em particular o Serviço Nacional de Saúde (SNS) está a sofrer, que cada um de nós terá de cumprir um papel cada vez mais determinante e com mais implicações ao nível das despesas em saúde e da qualidade dos cuidados.

Não é apenas por protagonismos corporativos mais ou menos defensáveis que a ANES se deve afirmar como um parceiro credível e indispensável na discussão das questões de qualidade e eficiência dos cuidados. O papel dos Serviços de Esterilização focalizado na prevenção das infeções associadas aos cuidados de saúde, nomeadamente da ferida cirúrgica está no centro de todas as decisões relativas à produção cirúrgica e, mais sensível ainda, se se tratar da produção cirúrgica adicional ou da produção em entidades não SNS.

O papel dos Serviços de Esterilização focalizado na prevenção das infeções associadas aos cuidados de saúde, nomeadamente da ferida cirúrgica está no centro de todas as decisões relativas à produção cirúrgica e, mais sensível ainda, se se tratar da produção cirúrgica adicional ou da produção em entidades não SNS.

Por isso o nosso programa, ou seja aquilo que nos une enquanto associados da ANES, tem a ver com a criação de guias de orientação técnica e com a melhoria da qualificação dos profissionais envolvidos no reprocessamento de dispositivos médicos.

Para além disso, pretendemos reforçar os laços com associações congéneres, promover relações com instituições universitárias e parcerias com entidades e empresas ligadas a esta área.

O que parece simples e fácil dito num parágrafo é, afinal, um enorme programa de trabalho que começa por estruturar e rotinar as atividades da Associação e, mais do que isso, construir uma espaço comum em que todos os associados se revêm e que todos reconhecem como fundamental para a sua credibilização profissional.

Para nós cargos sociais eleitos esta tarefa é um estímulo e um privilégio que desempenhamos com a consciência de que o nosso sucesso se medirá pelo sucesso e apreciação dos associados.

Juntos conseguiremos!

Amália Espada

Presidente